Arquivo para poemas de amor

Sangrando

Posted in MPB Mística, Poemas de amor eterno with tags , , , , , on 15/08/2013 by Antonio Carlos Teixeira

Quando eu soltar a minha voz
Por favor entenda
Que palavra por palavra
Eis aqui uma pessoa se entregando

Coração na boca
Peito aberto
Vou sangrando
São as lutas dessa nossa vida
Que eu estou cantando

Quando eu abrir minha garganta
Essa força tanta
Tudo que você ouvir
Esteja certa
Que estarei vivendo

Sangrando, Gonzaguinha1
Veja o brilho dos meus olhos
E o tremor nas minhas mãos
E o meu corpo tão suado
Transbordando toda a raça e emoção

E se eu chorar
E o sal molhar o meu sorriso
Não se espante, cante
Que o teu canto é a minha força
Pra cantar

Quando eu soltar a minha voz
Por favor, entenda
É apenas o meu jeito de viver
O que é amar

Sangrando, Gonzaguinha2

(Gonzaguinha)

Veja aqui a versão de “Sangrando”, na voz de Gonzaguinha, gravada ao vivo em 1981.

Vida

Posted in Poemas de amor eterno, Poetas do Oculto with tags , , , , , on 09/03/2012 by Antonio Carlos Teixeira

 

 

Não morro –

Por esta porta que eu passo sinto lucidez,

Uma ampla, doce visão da eternidade,

Que ultrapassa os sofrimentos e medo

Desta nossa vida.

Pois, não lamentes mas me permite ir

E faz deste adeus a tua minha felicidade.

Desperto com o meu mais caro desejo realizado –

A benção revelada. Aguardarei a tua chegada;

Não corras em deixar algo inacabado;

Mas, como a flor, que vive a abençoar,

Exala o perfume da bondade

Neste mundo de pecado e egoísmo.

E, diante do poderoso oponente que é a morte –

Último obstáculo a transpor –

Serás provida de altiva coragem,

Sustentado por teu amor e tua fé e Deus.

Então, como a névoa que se dissipa sob o sol,

Essa grande decepção, a morte – que só esconde

Dos corações tímidos o Deus aqui e agora –

Também se desmanchará, e tu acharás

Meu amor, tua alegria – um infinito céu divino.

(adaptado do poema “Life”, de Gilbert Carpenter)